Taxa Referencial
Investimento

Você sabe o que é Taxa Referencial?

Tempo de leitura: 3 min

A Taxa Referencial (TR) foi implantada pela Medida Provisória n.° 294, de 31 de janeiro de 1991 (convertida posteriormente na Lei 8.177, de 1.º de março de 1991) durante o antigo Plano Collor II. O seu objetivo inicial era tentar controlar a inflação alta da época e servir de referência para a taxa de juros no país.

Apesar desse papel ter mudado com o passar dos anos, a TR ainda hoje é um fator importante para a correção das poupanças, financiamentos habitacionais e FGTS.

Neste artigo trataremos do tema e mostraremos a sua relevância para quem deseja conhecer mais do mercado financeiro brasileiro. Continue a leitura e acompanhe.

Cálculo da Taxa Referencial

O Banco Central do Brasil (Bacen) é o órgão responsável pela divulgação da Taxa Referencial.

O cálculo da TR é feito a partir da avaliação de produtos dos 30 maiores bancos do país, sendo que a base para o resultado é obtida pela média das tarifas de juros dos CDBs (Certificados de Depósitos Bancários, que têm renda fixa e remuneração relacionada à taxa básica de juros, a Selic).

Esse valor é divulgado mensalmente e recebe o nome de Taxa Básica Financeira (TBF). Um fator importante a ser entendido é que a Taxa Referencial não tem valor negativo, ou seja, seu mínimo é 0, de acordo com a Resolução n.º 3.354 do Banco Central.

A fórmula usada para encontrar a Taxa Referencial é:

TR = 100 x [(1 + TBF ÷ R) – 1]

Antes de calcular, no entanto, é preciso encontrar o valor do redutor, que pode ser obtido a partir da fórmula:

R = a + b x TBF

Onde:

  • R: diz respeito ao redutor;
  • a: é o valor fixo definido na criação da TR igual a 1,005;
  • b: valor divulgado pelo Banco Central e que depende da TBF;
  • TBF: valor divulgado pelo Banco Central da Tarifa Básica Financeira.

Influência da Taxa Referencial na poupança

A TR é importante no caso da poupança, pois o retorno desse investimento é obtido pela soma do rendimento fixo e o valor da Taxa Referencial.

Observação importante: se a Selic estiver igual ou inferior a 8,5%, a remuneração da taxa fixa da poupança não será mais de 0,5% ao mês e passa a ser calculada como 70% da meta da Selic.

Influência da Taxa Referencial no FGTS

O cálculo do rendimento do FGTS é de 3% + TRF por ano, o que pode fazer com que o lucro obtido não seja tão satisfatório em comparação a outros investimentos, uma vez que a rentabilidade fica abaixo da inflação por diversas vezes.

Influência da Taxa Referencial nos financiamentos imobiliários

No caso dos financiamentos de imóveis, a TR tem impacto significativo no valor a ser pago ao longo do período do financiamento, uma vez que a parcela e o saldo devedor serão ajustados a partir dela.

É muito importante atentar para o valor da TR na hora de assinar o contrato, pois ela influencia diretamente no saldo devedor e, consequentemente, no valor das mensalidades, que ficam maiores em comparação ao que foi definido no contrato.

Para exemplificar, consideremos os valores da simulação a seguir:

  • valor do imóvel: R$ 600.000,000;
  • valor de entrada: R$ 120.000,000;
  • valor financiado: R$: 480.000,000;
  • prazo para pagamento: 360 meses;
  • taxa de juros:11,490%;
  • TR estimada: 0,60%* ao mês.

* Acumulado até novembro de 2017 (Tabela TR retirada do Banco Central do Brasil).

Sem a Taxa Referencial de juros, os valores encontrados nesse financiamento seriam:

  • primeira prestação: R$ 5.528,43
  • última prestação: R$ 1.370,47

Já com a Taxa Referencial de juros, o valor sobe para:

  • primeira prestação: R$ 5.917,62
  • última prestação: R$ 1.371,51

Neste artigo tratamos da Taxa Referencial, como ela foi criada e qual a sua influência atualmente. Entender como funciona essa taxa e o seu impacto é muito importante para quem busca opções de investimentos, assim como quem deseja financiar um imóvel.

Se quiser saber mais sobre o assunto e receber conteúdos inéditos sobre os nossos serviços, assine a nossa newsletter e fique por dentro!