Investimento

Saiba mais sobre os investimentos atrelados à taxa do CDI

Tempo de leitura: 3 min

Quando fazemos investimentos, um dos principais pontos a serem observados é a rentabilidade. Em muitas modalidades, ela é regulada pela taxa do CDI.

Sigla para Certificado de Depósito Interbancário, o CDI é o nome dado aos empréstimos que os bancos realizam entre si todos os dias para se manterem com o caixa positivo. E no caso de vários investimentos, o rendimento estará atrelado a uma taxa do CDI, o que em outras palavras implica em uma taxa de retorno próxima a Taxa Selic.

Gostou da taxa do CDI e quer saber quais as formas de realizar aplicações atreladas a ela? Então veja a nossa lista abaixo!

CDB

O Certificado de Depósito Bancário é um tipo de título emitido pelos bancos em que o investidor empresta dinheiro para um banco. Em outras palavras, essa modalidade foi criada para instituições financeiras levantarem recursos direto no mercado de investimentos para financiar as suas atividades.

Ele está protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito. Como consequência, eventuais problemas de solvência não causarão um grande prejuízo para o investidor: há o retorno de todos os valores investidos, com juros, até um limite de R$ 250.000 por CPF se o banco fechar.

LCI

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) também é um título emitido por bancos. Porém, nesse caso, ele está voltado para o financiamento do setor de venda de imóveis. Ou seja, os recursos captados são direcionados para o mercado de empréstimos para a compra de casas, apartamentos e até galpões.

Assim como o CDB, o LCI também está protegido pelo FGC. A sua grande vantagem está na isenção do Imposto de Renda, ou seja, o rendimento obtido não é tributado.

LCA

A Letra de Crédito do Agronegócio funciona de modo semelhante ao LCI. Mas nesse caso, o setor a que se destinam os recursos é o agronegócio.

Assim como os títulos anteriores, na LCA o investidor está protegido contra problemas graças ao FGC. Também é importante destacar a isenção de Imposto de Renda, que diminui o número de fatores que reduzem a rentabilidade dessa modalidade.

Fundos de renda fixa

Nos fundos de renda fixa, um grupo de investidores se reúne para realizar aplicações financeiras em larga escala. Nesse modelo, porém, a rentabilidade mínima é prevista desde a abertura do fundo, dando mais segurança a quem aplica os seus recursos.

Além de uma rentabilidade que, no geral, está acima da poupança, o fundo de renda fixa também tem como atrativo a sua confiabilidade. Todos os investidores estão protegidos com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Nos últimos anos, a poupança deixou de ser o principal investimento do mercado. Hoje, novas modalidades ganharam força, tanto para financiar aposentadoriascomo viagens ou mesmo a compra de uma casa. Mas para que a sua escolha não dê errado, é crucial fazer um investimento de qualidade.

As aplicações que possuem rendimentos atreladas a taxa do CDI são ideais para pessoas com um perfil mais conservador. A rentabilidade muitas vezes é maior do que a da poupança, além de existir uma maior segurança contra falhas do sistema financeiro. Assim, você pode criar o seu próprio “pé de meia” sem temer por um grande prejuízo.

Gostou desse post e quer receber mais dicas de investimentos? Segue a gente no Facebook e no Instagram!