Aposentadoria

Qual é a idade para se aposentar após a reforma da previdência?

Tempo de leitura: 3 min

A reforma da previdência ocupa várias páginas nos jornais, muitos minutos na TV e no rádio e inúmeros conteúdos na internet. E não é por menos que esse assunto ganha tanto destaque: as alterações promovidas afetam diretamente a vida de todos nós, mudando a idade para se aposentar.

Se você fica confuso diante dessas mudanças, não se preocupe. Trouxemos neste texto algumas indicações do que pode mudar na aposentadoria. Acompanhe!

Por que está se propondo uma reforma da previdência?

Reformar o sistema de previdência social não é uma pauta nova. Muitos governos tentaram alterar as regras previdenciárias e alguns deles até conseguiram efetuar mudanças, ainda que tímidas. Mais recentemente, em 2017, o governo do presidente Michel Temer propôs novas alterações. No entanto, devido a turbulências políticas, o projeto não seguiu.

Com o governo que tomou posse em janeiro de 2019, sob liderança do presidente Jair Bolsonaro, não foi diferente. Já nos primeiros meses um projeto de reforma da previdência foi proposto.

Essa constante necessidade de uma reforma da previdência tem seus motivos: a combinação de regras mais generosas com uma mudança do perfil da população (mais pessoas vivendo por mais tempo) fizeram com que os déficits da previdência se avolumassem. Em 2018, ele foi de R$ 195,2 bilhões.

Esses rombos constantes fazem com o que o governo tenha que remanejar recursos de outras áreas para honrar os pagamentos e aumenta a dívida pública, o que torna o país menos atrativo para investidores.

Quais as mudanças previstas para a reforma da previdência?

O projeto encaminhado ao Congresso tem o foco nas alterações da elevação da idade mínima para se aposentar e no aumento do tempo de contribuição para quem quer usufruir da aposentadoria integral. Assim, a proposta prevê que homens empregados na iniciativa privada se aposentem apenas a partir dos 65 anos, enquanto as mulheres terão acesso ao direito quando completarem 62 anos. Ambos os sexos devem contribuir por pelo menos 20 anos.

Com a contribuição mínima, a aposentadoria paga será equivalente a 60% da média dos salários pagos ao longo da vida. Para quem quiser receber os 100%, deverá contribuir por 40 anos, desde que não ultrapasse o teto estipulado.

Quando elas começam a valer?

Mesmo que todas as alterações propostas fossem aprovadas sem modificações no Congresso, elas não valeriam de imediato. O projeto prevê uma série de regras de transição para não prejudicar quem está prestes a se aposentar. Além disso, quem hoje já preenche os requisitos para solicitar sua aposentadoria ou está em processo de solicitação, não sofrerá com a mudança.

No entanto, o processo para a aprovação da reforma é longo e sem previsão de encerramento. Para que ela seja aprovada, são necessárias várias votações em comissões e no plenário tanto da câmara dos deputados quanto do senado. Por isso, é provável que o governo abra mão de alguns pontos para facilitar isso.

Por que e como se planejar?

De qualquer modo, sejam as mudanças aprovadas ou não, é importante se planejar para a aposentadoria para não depender exclusivamente da previdência social. Felizmente, existem diversos investimentos no mercado que cumprem esse papel, incluindo os planos de previdência privada.

Para tal, é importante manter o controle sobre suas contas, não gastar mais do que ganha e destinar uma fatia da renda para o planejamento da aposentadoria. Com isso, você terá mais flexibilidade para decidir qual a idade para se aposentar e terá garantida uma fonte de renda que não depende das regras impostas pelo governo que, como você viu, estão sujeitas a mudanças.

A reforma da previdência impactará na sua vida? Deixe seu comentário.