Investir na poupança
Investimento

Por que não investir na poupança?

Tempo de leitura: 3 min

A caderneta de poupança é uma das alternativas preferidas dos brasileiros para economizar por sua segurança, tradição e, principalmente, conveniência. Apesar da acessibilidade dessa modalidade, ela não é a melhor opção para quem deseja alcançar bons rendimentos com seus investimentos.

Ao depositar suas economias na poupança você está, na verdade, deixando de ganhar dinheiro. Isso acontece porque o rendimento da caderneta pouco consegue superar a inflação e em não raras vezes perde para ela. Ou seja, a oscilação dos preços dos produtos e serviços, superam aquilo que você receberá pelos seus investimentos nessa modalidade.

Veja como funciona a caderneta e entenda por que não investir na poupança:

Como a poupança funciona?

A poupança é popular entre os brasileiros, principalmente, por sua conveniência. Você pode criar a conta poupança no banco em que tem conta corrente ou em uma instituição financeira diferente com relativa facilidade. Geralmente, não há valor mínimo para investimento na caderneta. Os documentos exigidos podem variar de acordo com o banco, mas costumam ser cópia e original de identidade com foto, comprovante de residência e CPF.

Os investimentos na poupança são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que é um órgão privado, sem fins lucrativos, com a função de administrar mecanismos de proteção a titulares de créditos contra instituições financeiras. Pela regra, o fundo cobre até R$ 250 mil por CPF, por conglomerado financeiro, caso a instituição vá à falência.

Quais são seus rendimentos?

Os rendimentos da poupança são a principal razão para não apostar nessa modalidade de investimento. A caderneta apresenta um dos piores retornos de todas as opções conservadoras, como Certificado de Depósito Bancário (CDB), Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), dependendo de qual percentual do CDI os outros investimentos estão pagando.

Isso acontece porque, de acordo com a regra atual, válida para depósitos a partir de 4 de maio de 2012, a poupança rende 0,5% ao mês + Taxa Referencial (TR) quando a Selic (taxa básica de juros do país) for superior a 8,5% ao ano.

Atualmente, a  Selic está em 10,14%. Com isso, os rendimentos dessa modalidade de investimento não acompanham a alta dos juros, prejudicando a rentabilidade do valor investido.

Por que não investir na poupança?

A resposta para essa pergunta é simples: quem busca rentabilidade em seus investimentos, não deve aplicar dinheiro na caderneta.

Quando a taxa básica de juros está igual ou abaixo de 8,5% ao ano, menor ainda será a remuneração dos depósitos da poupança, que renderão 70% da Selic anual mais a TR. Em contrapartida, não é difícil encontrar investimentos em renda fixa com retornos iguais ou superiores a 100% da Selic.

Então, onde investir?

Você entendeu por que investir na poupança não é a melhor opção no cenário econômico atual, mas fica a dúvida: onde aplicar o dinheiro sem comprometer a segurança? Simples: aposte em investimentos conservadores como, Tesouro Direto, LCI, LCA e CDB. Além de proporcionarem o mesmo conservadorismo da caderneta, eles possuem rentabilidade diária e bem mais competitiva do que a poupança.

É possível começar a investir no Tesouro Direto, CDB e fundos de renda fixa com valores bem acessíveis.

Investir na poupança não é a melhor alternativa para quem busca alcançar uma boa rentabilidade com seus investimentos e ter segurança para realizar seus sonhos, como uma viagem ou aposentadoria tranquila.

Fuja dessa modalidade e dê preferência para outras opções de renda fixa, que são tão seguras quanto a caderneta. Para fazer a melhor escolha para seus investimentos, não deixe de buscar a ajuda de uma assessoria especializada.

Gostou deste conteúdo? Assine nossa newsletter para ter acesso em primeira mão aos posts do blog!