Investimento

Descubra agora os custos envolvidos no investimento tesouro direto

Tempo de leitura: 3 min

Conhece o investimento tesouro direto? Devido ao seu baixo risco, muitos investidores têm colocado o seu capital nele. Ele é um ativo de renda fixa, em que o rendimento pode ser conhecido no momento da aplicação. Nos títulos públicos, você empresta o seu dinheiro ao governo, pelo período combinado, e depois recebe o que emprestou mais os juros acordados.

Muito prático, concorda? Mas antes de colocar o dinheiro lá, é preciso conhecer os custos envolvidos para que possa se planejar melhor. Por isso, vamos apresentar todos os gastos, além de explicar como as empresas especializadas em finanças podem ajudar a fazer boas escolhas. Confira!

Quais são os custos envolvidos no investimento tesouro direto?

Basicamente, são cinco gastos que envolvem a operação: as taxas de custódia e de administração, transferência bancária, IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e IR (Imposto de Renda).

Essa lista parece assustadora, mas a boa notícia é que você pode evitar dois desses custos. Por isso, vamos explicar todas as despesas envolvidas no tesouro direto. Veja abaixo!

Taxa de custódia

Trata-se do valor cobrado pela BM&F Bovespa para proteger os seus títulos. A tarifa é de 0,3% ao ano sobre o valor investido. Caso aplique, por exemplo, R$ 5.000,00, vai pagar a quantia de R$15,00 pela guarda do ativo.

Quem tiver acima de R$1,5 milhão colocados em títulos é isento dessa cobrança.

Taxa de administração

Esse é o valor cobrado pela corretora que opera os seus títulos. Por meio deste site é possível verificar todas as instituições financeiras que são aptas a operar com o tesouro direto.

Pode-se perceber que várias empresas não cobram a tarifa de administração. Portanto, é uma despesa que você pode evitar.

Transferência bancária

Trata-se da quantia cobrada quando é feita a transferência de capital do seu banco à corretora ou o contrário. O valor varia conforme cada instituição financeira.

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é outro custo de que é possível se livrar. Para isso, basta completar, pelo menos, 30 dias com a aplicação.

O tributo tem como objetivo desestimular o investidor a fazer operações de curto prazo. Por isso, a taxa é regressiva. Quem retira o lucro no primeiro dia paga 96% e o investidor que faz o resgate no 29º dia perde 3% dos rendimentos por causa do imposto.

Imposto de Renda

Assim como o IOF, a tributação é regressiva, e a cobrança é realizada da seguinte forma:

  • 22,5% para investimentos feitos por até seis meses;
  • 20% nas aplicações de até um ano;
  • 17,5% para investimentos realizados entre 12 e 18 meses;
  • 15% para quem aplicar o seu capital por dois anos ou mais.

Por causa do regime de tributação, não é recomendável comprar títulos caso você pretenda se desfazer deles em pouco tempo.

Qual é a importância de contar com empresas especializadas?

As empresas especializadas em assessoramento de finanças contam com profissionais capacitados que vão ajudá-lo a fazer um bom planejamento financeiro e a conhecer melhor o seu perfil de investidor. Essas informações constarão como base para serem sugeridas as melhores estratégias e investimentos que atendem às suas necessidades.

Ficaram claros os custos do investimento tesouro direto? Está interessado em investir e receber mais dicas de finanças? Então, siga a nossa página no Facebook e receba conteúdos em primeira mão.